Análise Nokia Lumia 800

Em 2007 o iPhone revolucionou o mundo dos telemóveis e a gigante Nokia passou os últimos anos sem ser capaz de dar uma resposta à altura dos seus pergaminhos, até agora.

Em vez de se juntar ao rebanho e simplesmente criar terminais com o sistema Android da Google, a Nokia aliou-se à Microsoft e apostou no Windows Phone. Uma jogada muito arriscada mas que pode agora começar a dar os seus frutos.

O Nokia Lumia 800 é o primeiro aparelho a sair desta união com o Windows Phone 7.5 . Será o fim da Nokia como muitos previram ou um novo início?

 

Design fantástico

 

Visualmente o Lumia 800 impressiona desde o momento em que sai da caixa. É bonito, robusto e encaixa confortavelmente na mão como poucos.

Gostos não se discutem, mas para muita gente este será o smartphone mais atraente do mercado neste momento.

O design exterior do smartphone é quase perfeito, apenas a patilha que temos de levantar para ligar o carregador estraga um pouco o seu estilo. Além de ser pouco estética é frágil e não transmite a mesma sensação de solidez do resto do aparelho.

O ecrã de 3.7” é ligeiramente maior do que num iPhone 4, mas fica aquém de vários Androids que vão apostando em dimensões cada vez maiores. Mais uma vez é subjectivo e depende da utilização que cada um dá ao telemóvel, mas um ecrã deste tamanho que ocupa quase toda a superfície do Lumia parece-nos estar muito perto da perfeição.

A qualidade do ecrã AMOLED Clear Black é muito boa, as cores são vibrantes, a sensibilidade ao toque é excelente e o resultado é um display que dá gosto usar.

 

Windows Phone

 

A interface do Windows Phone é refrescante e foge ao aspecto típico dos seus rivais. Os ícones são mais dinâmicos e pessoais, apesar de não haver uma componente de personalização tão grande como no Android.

É difícil explicar o look & feel do Windows Phone porque, mesmo nas apps nossas conhecidas, foge ao que se tornou habitual nos seus concorrentes. O melhor é mesmo experimentar.

A integração com o Facebook surpreende pela forma como torna a nossa lista de contactos num organismo vivo que está em permanente actualização. Ao ver todos aqueles contactos também começamos a repensar se vale a pena ter tantos “amigos”.

Um conceito que veio para ficar é o da loja de aplicações que podemos comprar e instalar no smartphone. As aplicações mais comuns, como o Facebook, Foursquare, Whatsapp ou Angry Birds já chegaram ao Windows Phone e esta plataforma já deve estar na mira dos principais developers.

 

 

 

A velocidade é o factor que mais impressiona no Nokia Lumia. A navegação entre menus e aplicações é veloz e fluida. Também os jogos apresentam uma performance muito satisfatória.

A câmara fotográfica é um elemento fundamental em qualquer smartphone e a Nokia tem alguma tradição neste capítulo. A lente Carl Zeiss e o sensor de 8MP desempenham esta função sem qualquer problema. A rapidez do sistema e o botão dedicado para disparar garantem que vamos sempre captar o momento certo.

Neste smartphone não existe uma câmara frontal, o que pode desiludir os (poucos) adeptos das video-chamadas.

É verdade, o Lumia 800 também faz chamadas telefónicas e mais uma vez não temos nada a apontar, a recepção é boa e o som é nítido.

A duração da bateria é sempre um problema num aparelho tão completo como este. Tal como os seus rivais, o Nokia Lumia 800 tem que ser carregado diariamente, se quisermos usar todas as suas funções com alguma intensidade.

 

Conclusão

 

O Nokia Lumia 800 é um excelente smartphone que marca o início de uma nova era para a Nokia e abre mais uma frente na guerra dos sistemas operativos móveis.

É com satisfação que afirmamos que, tanto a nível do hardware da Nokia como do software da Microsoft, o Lumia tem argumentos para se bater com os melhores neste mercado. Experimente-o, pode estar aqui o seu novo smartphone favorito!


2 comments